1ª Corrida dos Comerciários - Para fazer todo ano

Foto: facebook Jardel Moura Assessoria Esportiva
Olá, meu povo: the day has come (O dia chegou). Voltei a fazer minhas provinhas e a escolhida foi a 1ª Corrida dos Comerciários realizada hoje (24/01), organizada pela Jardel Moura Assessoria Esportiva. Em meio a uma base muito bem planejada pelo Mestre, coloquei essa prova urbana no meio dos treinos em areia, dunas e ladeiras... Antes de ser pela fome por correr após cem dias sem provas oficiais, topei mesmo pelo amor que tenho pela parte baixa da cidade. Já corri umas 10x de casa até a Barra passando pela Avenida da França e a Contorno com a melhor vista do meu cartão postal favorito dessa cidade. A prova teve outro atrativo legal: o valor. Foram apenas 40 reais num kit que deu sacola, toalha de rosto e a velha camisa com tecido tecnológico. Muitos sentiram faltam da premiação por faixas, mas no lugar do empresário, com esse preço lá embaixo, imagino pq não seja tão viável. Sugeriria algo como uma corrida em Feira que pôs no regulamento que categorias só seriam premiadas se o número de inscritos passasse de 10 em cada uma delas, talvez essa fosse a solução para evitar premiar atletas que correm sozinhos em suas faixas, desculpa dada por eles para se defender dessa falta com o corredor.
Foto: facebook Flavio Urpia
Foto: facebook Jardel Moura Assessoria Esportiva
A entrega dos kits foi bem sossegada, organizada em etapas, não nos deixando mais que cinco minutos lá, mesmo no meu caso que peguei mais que um. O planejamento de percurso e hidratação também me pareceu bem legal. Desdenhei do mapa da prova e cheguei para a largada meio sem saber para que lado começaríamos tudo, mas eles explicaram tudo direitinho e o que ocorreu nessa prova foi algo que já tinha em mente e apenas confirmei: as melhores corrida são as montadas por assessorias esportivas e atletas. O percurso sempre bate a distância correta, o limite de vagas é bem pensado e mesmo cheias não nos deixam colidindo uns com os outros por mais que os primeiros metros e, no final, o clima de confraternização é ímpar, já que o grupo que as propagandas deles atinge é bem denso e formado por muitos corredores conhecidos. Fora que também, nós atletas, calejados dos mesmos percursos das provas, buscamos sempre inovar e essa se não me engano é uma das primeiras provas dessa nova geração lá embaixo no Comércio, palco de muitas provas de triatlo. Um "basta" para o apertado e sem alternativas criativas Jardim de Alah e a nova Barra e seu cimento que acho péssimo para correr. Empresários: abram o olho.
Foto: instagram @peralvaassessoria
A base tem feito o seu papel e as pernas vivem pesadas. Já dizem os mais rodados que uma base bem feita dispensa até musculação e as dores realmente se parecem. No entanto, os treinos tem sido bem dosados, ainda mais por mim que volto de lesão e o monitoramento desses sinais de fadiga é importantíssimo para não atingir a zona de overtraining, ainda mais que meus parâmetros estão bastante diferentes dos do maratonista que numa semana ruim rodava 60km em 5-6 treinos. Não quis dispensar o treino mais importante desse período, as dunas, e optei por segurar na intensidade nelas Sábado e nas ladeiras de Sexta, para ao menos poder fazer um treino de split negativo que desde que retornei não consegui executar. Fui para a Contorno com essa ideia em mente e joguei os pensamentos de "dar o melhor", "fazer força" e outras coisas que pensamos em dias de superação para bem longe. A ideia realmente foi aprimorar a técnica e rever caras conhecidas. Maiores surpresas vieram como amigos da faculdade que também entraram para o esporte e lá estavam, com todo aquele papo emocionante de inspiração na minha história, mal sabendo que eles são o que fui e que em algum tempo estarão sendo referências de bem estar para amigos e familiares sedentários também.  Também apresentei meu primo e ex parceiro de palcos Geovani ás corridas e o resultado foi outra aposta perdida, com com Djane há dois anos. Desejo metade do sucesso dessa bruta para ele que já basta para que ele chegue onde quer.
Casal Franco lembrando bastante como eu e Marizinha começamos.
Medalha bonitinha


Meus parceiros verdes! Faltaram Djane e Sílvio CDR.
A largada atrasou um pouco, mas sempre acho que é mais por problemas urbanos que por culpa da organização, já que sei um pouco de como a Transalvador e PM não se entendem na horas das largadas das provas menores. Como ainda estou com as zonas de treino desorganizadas devido a peso novo e falta de condicionamento, topei iniciar para 5'20'' e ir reduzindo o que desse a cada volta, de preferência entre 5 e 10 segundos para realmente fazer da última a melhor volta da prova. Nos deparamos com a agressiva ladeira do MAM logo no começo, parte que não dei atenção no mapa e achei que viria mais tarde. Deu para fazer tudo no planejado, mas a medida que os km passavam, vinha a velha queimação nos músculos... Será que nunca vou chegar naquele nível que essa sensação não vai fazer falta?!?!! Que delícia! (Risos)  E do km3 em diante, já tava na tal zona anaeróbica e fazia um fartlek bacana perto dos 400m finais das voltas para garantir que minha conta batesse e eu negativasse a prova (cliquem aqui para entender esse raciocínio). O percurso ajudou bastante com duas retas sensacionais dos km 4 a 6, mas quero levar essa técnica para as próximas provas, inclusive as alvo e com metas próximas ao que deva ser o meu melhor rendimento. Essa sensação superman é impagável e ela uma das minhas motivadoras para se dedicar aos treinos e me manter saudável como tenho sido esses quase quatro anos de corrida. Como diria Dean Karnazes: I run because I can (Eu corro pq eu consigo).
Última e melhor volta. Foto: Ultra Sandrinha

É fácil quando vamos focados em apenas nós mesmos.

Primeiro a minha chegada
Meus parabéns a todos os atletas presentes na corrida e também a organização da mesma que soltou os resultados logo cedo também. Esses pontos são bastante fortes na hora de escolhermos se repetimos essas provas. Temos hoje um calendário que já nos proporciona mais que um evento por fds e optarmos em repetir eventos x e não y ou realizar um e não outro (como eu) devido a esse compromisso em fidelizar o corredor com um bom serviço. Sempre defendemos a questão do bem estar da prática esportiva, etc, mas no fim das contas, a sensação de dinheiro bem investido está entre as principais razões de voltarmos ou não a tais eventos. Falando neles, o calendário não para: semana que vem tem Circuitos da Folia para soltar um pouco as pernas desse mês magnífico. A primeira prova-alvo se aproxima e não nego que é parte de meu circuito favorito: a Corrida do Itaigara (28/02). A Beach Cross é um Domingo antes, também tem sua mágica, mas é o friozinho na barriga daquelas ladeiras brutais desses míseros 6 - 8k do Itaigara que há três anos me fazem sorrir como criança.
Depois a do estreante Geovani.

See you soon e obrigado pelas fotos, amigos e sites esportivos. Não deixem de clicar nos links para terem informações mais específicas sobre fundamentos da corrida e outras provas da cidade. Busquem no canto direito da tela alguma prova presente no calendário da FBA, há 99% de chances dela estar aqui e talvez vocês encontrem as informações que faltam para topar fazê-las ou esquecê-las! Obrigado pelas leituras e elogios, esse espaço é, antes de tudo, para vocês.




Comentários

  1. Sinto-me hiper lisonjeado de sermos mencionados e de termos nossa foto presente neste registro histórico! Esta corrida dos comerciários tem tudo para ser a primeira de muitas e é uma honra ter participado ao seu lado e ao lado de gente tão dedicada e de alto-astral! Nos vemos na Beach Run!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que é isso! Lisonjeado o que?! Correm juntos. É lindo o que fazem, espero voltar a correr com Mari um dia. Vocês serão motivadores disso.

      Excluir

Postar um comentário

Seus comentários e visitas me inspiram muito sempre que corro: bons treinos, provas e mudanças de vida para vocês também. Thanks!