Desafio Street & Beach e reta final para a WFL

Março foi imenso e se teve algo que eu não reclamei por isso foi do fds a mais para encaixar outro longo de bastante qualidade para o pace desejado para a Wings for Life que se aproxima. Estou bem perto do que preciso para beirar os 30km corridos em Santiago mês que vem: será que dá? Peso já tá sob controle e ainda há massa muscular para aguentar o tranco, estou bem menos raquítico que na edição do ano passado, mas não perdi a gana por estar no meu best shape no dia D. 
Fim de semana que passou tivemos o esperado e acima das expectativas Desafio Street and Beach Run. Prova arrojada para o que temos visto em SSA e todos puderam participar de uma prova que fez jus ao nome e misturou asfalto, areia, rampas e escadas ao que já conhecemos bem ao entrar para provas de 4 e 8km, distâncias legais comparadas aos 5 e 10 que podem não abraçar parte da galera já iniciada na corrida. A prova foi organizada pelo Clube Espanhol que tem subido bastante em meu conceito após cada prova que promove. A Corrida de Compostela, deles também, prometeu bastante mas foi ofuscada pelas obras intermináveis da nova Orla de Salvador e aí brilhou não pelo circuito propriamente dito, mas pela premiação por faixas etárias que por não serem em dinheiro vivo, atraíram menos os fominhas da elite e democratizaram o espaço para nós, mortais. Em seguida, eles refizeram uma caminhada de 14km até a famosa Igreja do Bonfim e tive a oportunidade de participar dela inteira enquanto me curava de uma horrível tendinite que me assolara por meses até o dia dessa peregrinação. A feijoada Open Bar, o samba e a integração de corredores foi descrita aqui no blog em Dezembro.
Família unida.
A boa propaganda, a nova Orla e a adesão de corredores calejados das provas locais vendeu bem a prova e Domingo foi um sucesso. Eu tinha uma missão em mente: continuar tragando minha família pro vício. Dessa vez foi mais um primo, após estreia de um na Corrida dos Comerciários em Janeiro e outro talento na Corrida do Itaigara. Não quis me cobrar muito, fui descaracterizado e afim de curtir. Por problemas na malha aérea brasileira, fiquei um dia sem o relógio que comprara fora e Domingo tive esse "a menos" para a largada, o que me deixou mais descontraído para correr na percepção própria e ter numa prova mista, praticamente o mesmo ritmo de uma prova de rua (4'40'', sendo 19'03 o tempo final nos 4km).
Foto pelo sparring Dr Falcão - Subidinha forte.
A largada foi pontual, aliás, desde antes dela, a entrega do kit já mostrou uma organização ímpar. No Domingo, os 8km que brigariam por faixas etárias logo largaram e em menos que as meia hora prometidas, largaram os 4km... imagino que a demora fosse só que os atletas de 8km liberassem o trecho de areia que percorreríamos em seguida. Faltou o calor de sempre da cidade, os atletas de 8km tiveram que fazer muito mais curvas e encararam areia mais fofa que nós, mas ouvi poucas queixas de que a prova estevesse além das capacidades de alguns dos que se ousaram a participar do Desafio. Me queixo da água quente na altura do km2, meio broxante, embora não ligue muito para isso. As premiações também foram pontuais e a dispersão, solucionou um problema e criou outro: na tentativa de liberar a área de chegada para os atletas, o kit lanche foi dado numa área isolada, mas com o fluxo aumentado de corredores que chegavam, a fila terminou alcançando o pórtico, embolando tudo da mesma forma. Pelo empenho da organização em resolver isso, imagino que na Corrida de Compostela, agora parte do Baianão do Atletismo, esse problema será inexistente.

Marizinha por @leotrindade
Muito feliz pelas caras novas e antigas no pódio. Marizinha voltou a figurar no geral, me enchendo de orgulho e mostrando que sozinho também dá para se conseguir resultados. Minhas amigas de equipe, meu primo estreante e vários outros que guardo com carinho que também fizeram seu melhor esse Domingo, imagino que pelo visual e proposta tão inusitados da prova, que zeram os parâmetros competitivos das provas de sempre que fazemos. Espero por mais iniciativas assim e nesse preço cobrado pelo Clube. Estamos juntos caminhando para provas cada vez mais democráticas e espaços como a comunidade Corredores de Salvador, esse e outros blogs e mais algumas mídias, são os lugares que chamarão atenção das organizações de prova para atender nossas demandas.
Foto pelo parceiro Alberto Rezak e o símbolo de SSA lá atrás.
Agora a chave volta para a Wings for Life com os longos mais importantes e o polimento. Mas ainda tem uma parada dia 1 de Maio na Raimundo Balthazar da AVAB, menina de meus olhos.

Comentários

  1. Você vem a Brasília correr a Wings for Life? Espero que curta correr por aqui. Mas se prepare porque o clima já está bem seco.
    Abraço e bons treinos.
    Dani.
    Blog Dani Corredora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não! Não. Edição de Santiago. Fiz BSB ano passado. O clima seco não foi dos piores, amamos a prova. Thanks!!!

      Excluir

Postar um comentário

Seus comentários e visitas me inspiram muito sempre que corro: bons treinos, provas e mudanças de vida para vocês também. Thanks!