17ª Corrida 2 de Julho - A única!

Chegando ao Campo Grande. Foto por +Edson Magoolin Claudio 
Amo essa corrida. A primeira vez que fiz com Mari tomei um susto pela quantidade de subidas que os velhinhos da AVAB encaravam me deixando na saudade. Embora ela tenha sido um de meus primeiros tempos sub 6'/km de pace, foi duro terminar e a sensação de "quase morte" ao terminar as ladeiras ao lado do Bompreço da Barra e a Princesa Izabel na Graça é lembrada com respeito até hoje. Em 2014 não a fiz; ela chocou com a Maratona do Rio em virtude de seu adiamento pela Copa do Mundo, uma pena, pois foi mudada para a trilha do Parque de Pituaçu, também dura, mas de outra característica. Já ano passado ela foi reduzida para as tradicionais 5 milhas ou 8 quilômetros em bom português, substituindo a duríssima ladeira que falei acima pela Padre Feijó, ao lado do Hospital das Clínicas, creio que pior pela extensão, mas menos difícil por seu menor ganho de elevação. A queimação e arrepio ao subir do ano passado foram substituídos por uma melhor estratégia de saída esse ano. Nunca imaginaria que correr focando apenas em mim mesmo e não em quem vem ou vai seria a força que precisava para os meus RP que tem caído no colo em 2016. 
Trecho novo da prova. Descida da Princesa Izabel. Foto por +Leo Trindade Fotografia 
A AVAB manteve o padrão de sempre, só que com melhores apoios... tivemos água em saquinhos e nenhuma queixa de falta dela, Staff apontando as direções para onde virarmos onde facilmente um "esperto" poderia virar antes e correr um percurso menor que os outros e também segurando placas da km atual nos momentos de virada de kms no percurso. Realmente uma das AVAB mais completas que fiz nesses quatro anos de esporte. A chuva embaçou um pouco a festa do pódio, já que ou premiavam para que ninguém visse, ou esperavam a chuva passar para que os premiados recebem suas palmas e tivessem fotos batidas.

O que deixou a desejar, como sempre, foi o horário da largada. Por mim já teriam estabelecido há tempos que seria as 7h30. Quando dizem que é as 7h NUNCA largam no horário. Esse fds largamos as 7h22, então, creio que seja lá quais forem os culpados, é meio um consenso que é possível ter largada ao menos as 7h30 sem atrasos. O trânsito parcialmente fechado também foi nossa bronca; contar com a educação de um dos piores condutores que vi em todos os estados que visitei é arriscar demais. Por mim fechava a bagaça toda e avisaria pela cidade e pelas mídias dias antes que a via seria fechada para um evento esportivo, como vejo em todos os estados.
Chegada da prova! Créditos na foto.
Minha prova foi sensacional. Venho batalhando pela uniformidade no ritmo que vejo a elite fazer. Os tempos deles são praticamente iguais em provas planas e acidentadas e me perguntava por que. A resposta era quase sempre a mesma... Eles costumam arrumar estratégias para compensar os kms de ladeira, ou sprintando nelas, ou depois delas, compensando a inevitável perda nesses trechos, além de, é claro, alguns treinos nesse terrenos, afinal, o dia da prova é o que devemos ter menos sensações desconhecidas possível. O aclive inicial da prova foi praticamente irrelevante, o que não mudou minha estratégia de saída. No km4 começou o sobe e desce, ou melhor: desce e sobe. Foi adicionada uma descida, meio que para arredondar a prova para 8km, já que ano passado ela apontou um pouco menos e aí,a perda no cotovelo e rampa que ligava a parte de descida a de subida da Princesa Izabel foi nosso primeiro choque, embora tenha afetado pouco a minha volta devido aos ajustes que fiz acelerando antes de subi-la. A longa descida da Euclides da Cunha viria para ajudar nas perdas da subida (b-i-z-a-r-r-a) da Padre Feijó e nela também não fui destoante do pace de +-4'40'' programado. O último km contra um pouco de vento na Avenida 7 foi com o que sobrava; alguns tinham algo guardado, alguns tinham só o bastante para terminar. Fiz parte do primeiro grupo e a chegada foi decidida a 19kph entre cotoveladas (amistosas) com um aluno do grande Renato Maia que pôs 15 (incluindo meu primo Moacir com tempos cada vez melhores) no pódio nesse Sabadão. Pois é... tem gente que chama a SS de dura pq da quase plana Brigadeiro. ¬¬'
Muitos Maias no pódio, ao lado de alguns nossos, é claro! Insta @renatommaia
Próxima aventura é a Santiago de Compostela dia 31. Não deixem de se inscrever; eis uma das provas que nasceu após o BOOM das corridas, mas que tem diálogo direto com a gente e sempre busca oferecer o máximo pelo preço mais justo. O valor é congelado de R$65 para Federados e o lote de R$75 para não Federados tem data para acabar. Corram!

Comentários

  1. Sensacional. Infelizmente ou felizmente sempre viajo nesse feriado e quase nunca estou por aqui. Fico feliz da sua narrativa. Adoro as provas da AVAB. É uma pena o trânsito não ser 100% fechado, o engraçado é que para outros eventos, como carnaval, acontece e ninguém reclama. PArabéns pela prova e pelo relato. SHOW

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seus comentários e visitas me inspiram muito sempre que corro: bons treinos, provas e mudanças de vida para vocês também. Thanks!