Feira Night Run - De volta a night

 
Foto oficial

Tem algumas corridas que até deixo de relatar no nosso espaço. Algumas por serem repetidas, outras por terem poucos atrativos e que eu acabo fazendo só para complementar um ciclo de treinos e também outras por falta de tempo para tal. Esse seria o caso dessa prova noturna tivesse sido ela aqui na cidade ou simplesmente tivesse sido sem grandes surpresas como os 5k já manjados planejados por grandes empresas. A Feira Night Run deu até mais do que prometeu em meia dúzia de aspectos que já tinham me deixado pra baixo em relação as corridas de grande apelo, mas recuperei um pouco de minha motivação ao voltar a fazer uma Night Run por causa do vivido nesse fds.

Nossa linda e verde BR324
Em Petrolina havíamos decidido fazer essa prova. A viagem SSA-FSA dura menos que 1h de carro e os custos são bem menores em relação a correr em qualquer outra cidade. O valor da inscrição foi de 84 reais... se tivéssemos decidido até dia 11 de Setembro teríamos pago 10 reais a menos. Hospedagem que nem era tão necessária devido a essa distância foi o mais fácil; nossa amiga Sheyna tinha como nos receber e conseguiu fazer isso melhor que muito hotel que me hospedei em alguns anos no esporte. Sanadas as pendências logísticas, restava apenas esperar o grande dia e começar a sentir a velha ansiedade pré-prova no dia da entrega do kit.
Meia personalizada do kit
O kit foi entregue em área bem localizada, como muita coisa em FSA. Incrível como tudo parece girar em torno de uma reta que pegamos umas 4x no fds que passamos lá. Confesso que queria ter conhecido um pouco melhor a zona urbana de lá, mas não sairia do verde e da paz do sítio de Sheyna mesmo que fosse pago. Recebemos o kit numa sacola plástica personalizada e nele ganhamos garrafinha, a já de práxis camisa de poliamida, meia personalizada pro evento e muito merchan de patrocinadores. Ao meu ver, valeu cerca de 80% do valor investido e não tenho do que reclamar: última vez que paguei tanto numa inscrição corri em outro país, logo meus parâmetros de cobrança das organizações de provas serão sempre um pouco mais criteriosos que os da galera que fecha os olhos e paga valores (ao meu ver) abusivos para ganhar o mesmo que ganhamos numa prova de 50R$ como a Corrida dos Comerciários em Janeiro e a Sunrise de Setembro.

A promessa era de uma prova plana. Ouvi que subiríamos e desceríamos metragens semelhantes ao fim de duas enormes retas que pegaríamos após a largada dos 5k e essa promessa foi cumprida: e como! Ao contrário da ASA onde paguei para ver se manteria a prova para 4'20'' focando num sub 22', dessa vez fui cauteloso e ajustei os trechos com inclinação para 4'30'', confiando no tiro final. Após uns 3,5km de prova parti para a loucura e ataquei uma descida como se não houvesse amanhã, mas, como sempre, antes de ver as coisas ruírem, puxei o freio de mão (talvez cedo demais) para me manter onde estava. Busquei novamente uma prova progressiva; fosse em tempo por volta ou em ultrapassagens (dessa vez não fui ultrapassado desde que a primeira curva fora feita) e a motivação de ir atrás do corredor mais próximo foi o que me garantiu correr bem, bater meu tempo e não sair muito do programado. Nessas provas de 5k que muita gente enxerga como as mais fáceis, de um tempo para cá tenho lutado para não quebrar: são duas visões totalmente diferentes que mostram o quão versátil esse esporte pode ser mesmo sendo praticado pelas mesmas pessoas nas mesmas distâncias... de fato estou longe de enjoar disso tudo.
Foto oficial
Ter visto o pórtico da prova duas vezes durante o percurso ajudou bastante a mentalizar a chegada. O visual e o clima de balada dão aquela motivada até para aqueles que insistem dizer que tais fatores não influenciam no rendimento. Fiquei super mexido também com o apoio aos nativos; a gritaria na altura do km4 para que um rapaz me passasse foi algo que eu jamais pensei que veria materializado. O terceiro colocado dos 8km conseguiu esse feito num bote a pouco menos que 300m da chegada devido a essa torcida. A chegada da prova consistia em pouco mais que 100m logo após uma subidinha de quase 300m e acreditar em milagre é ver o seu corpo render após descer essa rampa, curvar e subir novamente na mesma marcha; momentos que praticamente me garantem numa nova edição afim de melhorar pequenas falhas que me separaram em 12'' da marca que queria ainda em 2016. Os amigos também foram todos bem arrancando resultados inesperados tanto pela agradável temperatura quanto pela mesma empolgação que descrevi. A corrida ainda terminou com uma aula de Zumba e sorteio de brindes. Curti tudo e como sugestão peço que considerem iluminar os postos de hidratação ou por placas de aviso com alguma antecedência: pouco faço uso de água em provas noturnas, mas pensando no próximo, imagino que notar um posto em meio há torcedores, staff vestindo preto e árvores e em velocidade de deslocamento desconfortável não deva ser algo tão fácil que dispense sinalização.
Mais uma!!!
Grande abraço e até a próxima corrida. Receio que a temporada acabe dia 4/12, mas vocês saberão nas redes meus planos dentro do calendário local com meus amigos e colegas de treino. Até mais!

Comentários